HOME           IMPRENSA           CONTATOS
CADMESP -       A MAIOR ORGANIZAÇÃO EM DEFESA DOS MUTUÁRIOS DE SÃO PAULO
CADMESP
Quem Somos
Palavra do Diretor
Legislação
Tire suas Dúvidas
Reuniões
Fale Conosco
Área Restrita
 

Assuntos da CASA Própria

Duplo Financiamento
Contrato de Gaveta
CDHU
Dívidas de condomínio
Leilão da Casa Própria
Garantia Hipotecária
Cartilha do Mutuário
Cadmesp na Mídia
Decisões

O que é Contrato de Gaveta.

 1. Introdução

O chamado contrato de gaveta, habitualmente utilizado por mutuários do sistema financeiro de habitação para transmissão de seus direitos sobre o imóvel adquirido, sempre foi alvo de acalorados debates no campo jurídico.

Sustenta uma vertente, dentre outros argumentos, que o reconhecimento do contrato de gaveta só se exterioriza quando presente a anuência do agente financeiro na negociação.

A vertente oposta, amparada, dentre outros argumentos, no princípio da livre disponibilidade dos bens, sustenta a plena validade do contrato e a obrigatoriedade do seu reconhecimento pelo Sistema Financeiro da Habitação.

Acontece que, reiteradamente, numerosos contratos de gaveta são ajustados entre mutuários do Sistema Financeiro da Habitação e terceiros, e, a despeito da ausência da anuência do agente financiador, os chamados gaveteiros dão seqüência nos pagamentos das mensalidades, que são recebidas sem qualquer oposição pelo agente credor surgindo, então, a seguinte indagação: o recebimento, sem qualquer resistência, pelo agente do sistema financeiro da habitação, com inescondível ciência de que o pagamento não está sendo realizado pelo mutuário primitivo, mas pelo
chamado gaveteiro, equivaleria a anuência tácita do agente financeiro suprindo a exigência do seu comparecimento ao contrato realizado pelo mutuário com o terceiro?

2. O posicionamento do legislador com a edição de ato possibilitando a regularização do contrato

A resistência que no passado existiu com relação ao reconhecimento do contrato de gaveta - e que ainda existe para para alguns - vem sendo quebrada diante da realidade, considerando a quantidade de contratos ajustados pelos mutuários com terceiros, razão pela qual o legislador já editou alguns atos objetivando disciplinar essa situação como, por exemplo, a lei 10.150/00 que expressamente admite a regularização contrato de gaveta desde que tenha sido firmado até outubro de 1.995 e ajustado com base na Lei 4.380/64.

Vale acrescentar que a lei 8.692 de 27 de julho de 1993, que antecedeu a lei 10.150/00, dando nova redação a Lei 8.004/90, já reconhecia direito de o gaveteiro obter quitação quando existente a previsão do FCVS no contrato, como se extrai da dicção do referido dispositivo legal:

"Art 19. O parágrafo único do art. 1º e os arts. 2º, 3º e 5º da Lei nº 8.004, de 1990, passam a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 1º
................................................................................

Art. 2º Nos contratos que tenham cláusula de cobertura de eventual saldo devedor residual pelo FCVS, a transferência dar-se-á mediante simples substituição do devedor, mantidas para o novo mutuário as mesmas condições e obrigações do contrato original, desde que se trate de financiamento destinado à casa própria, observando-se os requisitos legais e regulamentares, inclusive quanto à demonstração da capacidade de pagamento do cessionário em relação ao valor do novo encargo mensal ".


3. O posicionamento da doutrina

Sobre o assunto, expressivos são os conceitos emitidos pela doutrina especializada:

"A lei 8.692 de 27 de julho de 1993 já ventilava a possibilidade das pessoas que tivessem o conhecido contrato "de gaveta" com cobertura pelo fcvs ou não, a possibilidade de regularização do contrato junto ao agente financeiro, cuja transferência dar-se-ia mediante simples substituição do
novo mutuário, mantidas as mesmas condições e obrigações do contrato original, observando-se determinados requisitos inclusive a capacidade do mesmo no pagamento da prestação (esta será atualizada a contar do último reajuste até a data da transferência do contrato, com base no índice de
atualização da caderneta de poupança)".

De forma ainda mais incisiva, o posicionamento do advogado especializado em Direito Imobiliário RONALDO GOTLIB COSTA, em seu conceituado Guia do Mutuário em forma de pergunta e resposta, onde, além de deixar claro o direito do contratante, apresenta ácida e acertada crítica a expressão "gaveteiro":

"23. Sou "gaveteiro". Também tenho direitos? Em primeiro lugar, é preciso dizer que somos contra esta nomenclatura,"gaveteiro", pois faz crer que o negócio firmado é ilegal e, por isso, deve estar escondido (na gaveta), o que não é verdade. O contrato de gaveta é perfeitamente legal. Só não é reconhecido pelo banco. Cumpre, porém, todos os requisitos legais que lhe asseguram a validade. Portanto, o gaveteiro pode pleitear seus direitos da mesma forma que o mutuário original ".

3. O Posicionamento dos tribunais

A matéria já foi enfrentada em mais de uma ocasião pelos Tribunais e as decisões estão se pacificando no sentido do reconhecimento do contrato quando existe ciência da negociação e continuidade de recebimento pelo agente financeiro das mensalidades pagas pelo chamado gaveteiro como se extrai de trecho de noticiário do Superior Tribunal de Justiça:

"Para o ministro Garcia Vieira, relator do processo, "se o agente financeiro, após tomar conhecimento da transferência do imóvel financiado a termo, passa a receber do cessionário as prestações amortizadoras do financiamento, presume-se que ele consentiu tacitamente com a alienação.
Portanto, o conhecimento, sem oposição à transferência, equivale a implícita concordância".

Em recente precedente o Tribunal Regional da 2ª Região, por sua 4ª Turma, reconheceu o direito do chamado gaveteiro de ver regularizada a sua situação, chamando atenção o relator em seu voto para o fato de que a matéria já se encontra pacificada naquele Tribunal e no STJ.

O Julgado foi alvo de ampla divulgação pela mídia, em especial no noticiário da página do próprio Tribunal na Internet, valendo transcrição oportuno trecho do mencionado artigo:

"No entendimento unânime da 4ª Turma, a jurisprudência dos Tribunais Superiores e dos próprios TRF já é pacífica no sentido de reconhecer a eficácia dos contratos de gaveta como negócios jurídicos (...). Ainda em seu voto, Dr. Rogério de Carvalho ressaltou que essas modificações introduzidas pela Lei nº 10.150 deixam claro que a própria administração do SFH pretendeu regularizar a situação de milhares de cessionários, assegurando-lhes os devidos direitos: "Tal previsão legal não permite concluir outra coisa, senão que as próprias autoridades competentes na área da habitação mostraram-se sensíveis à extensão do uso do chamado 'contrato de gaveta', cuja influência é realidade que não pode ser ignorada".

4. Conclusão

Considerando o fato de que já existem dispositivos legais abrindo o caminho para a regularização dos contratos de gaveta e levando em conta os posicionamentos doutrinários e jurisprudenciais no mesmo sentido, sem desprezar, contudo, as ressalvas existentes nas referidas manifestações no tocante aos requisitos para a regularização, pode e deve o chamado gaveteiro, diante da contumaz resistência do agente financeiro em reconhecer o seu contrato, buscar o Judiciário para a satisfação de seu direito.